Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Importações crescem 134% no Terminal de cargas do Aeroporto de Boa Vista


O Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Internacional de Boa Vista/Atlas Brasil Catanhede (RR) registrou, no primeiro semestre deste ano, expressivo crescimento de 134% na tonelagem movimentada para importação. O valor foi constatado com o transporte de carga marítimo e rodoviário, em relação às cargas processadas nos seis primeiros meses de 2016. Entre janeiro e junho de 2017, foram 1.149,2 toneladas, ante a 491,2 t contabilizadas no mesmo período do ano passado.

O Terminal de Logística de Carga do Aeroporto de Boa Vista foi inaugurado em 1º de outubro de 2012, impulsionado pela criação da Área de Livre Comércio (ALC) e da Zona de Processamento e Exportação (ZPE), e conta com uma área atual construída de 500 m². Pelo Teca circulam cargas oriundas principalmente da Venezuela via modal rodoviário e da cidade de Manaus, transportadas via marítima de países como China, Estados Unidos e Panamá.

O tipo de carga recebida no terminal possibilita o abastecimento de todo o estado de Roraima com matérias primas, produtos domésticos, eletroeletrônicos, materiais de construção. Para auxiliar nos transportes, o Teca dispõe de empilhadeiras, transpaleteiras, carrinhos hidráulicos, além de outros equipamentos de infraestrutura.



“A qualidade e segurança dos serviços prestados pelo nosso terminal de logística de carga é a chave para fidelizar e continuar conquistando nossos clientes”, declarou o superintendente do aeroporto de Boa Vista, Carlos Augusto Santos de Andrade.

Diferentemente de outros terminais de cargas administrados pela Infraero, o Teca de Boa Vista recebe 90% de suas mercadorias despachadas via modal marítimo, em contêineres desembarcados no porto de Manaus (AM).


Novo modelo comercial


Neste ano, a Infraero adotou um novo posicionamento estratégico e de mercado na área de logística de carga, buscando expandir o portfólio de serviços e produtos de logística integrada oferecidos pela empresa e ampliando a parceria com a iniciativa privada nos negócios. Os processos licitatórios de diversos Tecas da empresa são um passo importante dessas novas diretrizes.

Até o momento, cinco processos de concessões de complexos logísticos já foram realizados pela empresa: Goiânia (GO), Curitiba (PR), Vitória (ES), São José dos Campos (SP) e Recife (PE). Todos os contratos em questão preveem prazo de concessão de dez anos, sem investimentos vinculados por parte das empresas concessionárias. Os valores de luva (preço mínimo mensal) totais obtidos com os cinco contratos somam R$ 2,95 milhões.

Também estão planejadas as concessões do Teca de Joinville, com abertura do edital prevista para o dia 14/8, além do complexo logístico de Manaus, com lançamento do edital previsto para este semestre. Com o novo posicionamento, a Infraero busca permanecer alinhada às melhores práticas de mercado, mantendo a competitividade no mercado e buscando todas as oportunidades possíveis para gerar valor, reduzir custos e garantir a máxima eficiência.


fonte: santa fé ideias
SHARE
Banner

Comentar: