Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Aviões ilícitos levam tiro de alerta em ação da FAB na fronteira

A Força Aérea Brasileira (FAB) interceptou um avião bimotor que transportava aproximadamente 500 quilos de cocaína em Jussara (GO) (A Força Aérea Brasileira (FAB)/Divulgação)

Força Aérea Brasileira realiza a Operação Ostium para coibir voos ilegais; parte das aeronaves trafica drogas

Voando baixo, bem baixo e muito lento, o pequeno avião de um só motor vindo do interior da Bolívia cruzou a fronteira aérea do Brasil quando o amanhecer ainda era apenas uma penumbra. Seguiu o curso de um rio, depois o trajeto de uma estrada secundária — e então topou com um A-29 Super Tucano, duas metralhadoras .50 nas asas, despachado do aeroporto de Dourados, em Mato Grosso do Sul, pelo Comando de Operações Aeroespaciais da Força Aérea Brasileira, em missão de interceptação.

As duas aeronaves entraram em um procedimento regido pela Lei do Abate que permite, desde 2004, derrubar a tiros os “ilícitos”: aviões irregulares, não identificados, sem plano de voo, em silêncio de rádio. Nesse dia do fim de maio as coisas terminaram bem. O piloto acatou as instruções, reativou a comunicação, pousou na pista indicada pelo A-29 e apresentou os documentos, com validade vencida. O avião foi apreendido e multado. A investigação prossegue.

As manobras evasivas adotadas no deslocamento do intruso dentro do espaço brasileiro — pouca velocidade e altitude reduzida — são as mesmas seguidas pelo pessoal do tráfico de drogas para escapar dos radares da Força Aérea.

“O ato pode ter sido um ensaio para testar a capacidade de resposta do sistema de repressão ao tráfego ilegal”, sustenta um oficial do esquadrão envolvido na ação, que não pode ser identificado. Os militares dos times de Campo Grande (MS), Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR), os mais diretamente ligados ao programa de combate aos crimes transfronteiriços, têm recebido ameaças.

Há pouco mais de três meses, desde 24 de março, essa rotina se repete ao menos quatro vezes a cada dia, em uma larga faixa de 4.700 km, a extensão combinada da linha de fronteira do Brasil com o Paraguai e a Bolívia, rota da entrada de 70% da cocaína transportada por via aérea para ser distribuída em São Paulo e Rio. É ali que a Força Aérea está realizando a Operação Ostium (portão, em latim), a maior da aviação militar do País no trabalho de coibir voos ilegais. É um programa ambicioso. Ao longo de aproximadamente 13 anos, a FAB executou pouco mais de 2 mil interceptações sob a Lei do Abate. Nas primeiras 15 semanas da Ostium, entre março e julho, o número dessas missões já se aproximava de 150.




fonte: veja
SHARE
Banner

Comentar: