Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

NÓS SOMOS O AEROPORTO


Em Uruguaiana, a união e o trabalho dos 11 empregados da Infraero possibilitaram a retomada de voos no aeroporto da cidade, com dois voos da Azul Linhas Aéreas Brasileiras



A cidade de Uruguaiana, na fronteira do Brasil com a Argentina, passou dois anos sem receber qualquer voo regular. Entre 2013 e 2015, chegar a Porto Alegre ou partir da capital gaúcha para a fronteira, distante 650 quilômetros, só era possível pela BR-290 ou em voos de taxi aéreo, o que tomava tempo, encarecia e dificultava viagens a trabalho ou a lazer. Nesse cenário, a Azul enxergou a possibilidade de oferecer voos. Mas além de infraestrutura, era necessário garantir o atendimento de passageiros e normas de segurança e operacionais.

Depois de inúmeras sondagens e análises, somente em outubro de 2015 a Azul solicitou a autorização à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar em Uruguaiana com um ATR-72, com capacidade para 70 passageiros. O pedido foi aprovado, e no mesmo mês a cidade passou a ter um voo regular de domingo à sexta-feira. “Sempre fomos questionados e, até certo ponto cobrados pela comunidade em geral, através dos empresários, comerciantes, vizinhos; todos nos perguntavam quando voltaríamos a ter voos no aeroporto”, lembra o superintendente Jorge Tadeu Marques da Silva. Mas para a Azul dar início às operações, foi necessário que todos os empregados da Infraero realizassem cursos de capacitação, focados na segurança na aviação (AVSEC), operação de raio-X e bombeiro de aeródromo. Os colaboradores terceirizados também passaram pelo mesmo processo de capacitação.



Com escassez de recursos financeiros no aeroporto e na Infraero, conseguir um contrato de terceirização de serviços era um objetivo quase inalcançável. Ao mesmo tempo, era preciso cumprir a legislação e garantir as inspeções de passageiros e bagagens de mão pelo raio-X e detector de metal, além de oferecer uma Seção de Combate a Incêndio (SCI), que em Uruguaiana é formada pela Brigada Especial de Combate a Incêndio (Beca), composta por empregados da Infraero, que permanecem de prontidão durante as operações de pouso e decolagem de aeronaves.

Essas medidas resultaram numa economia de aproximadamente R$ 60 mil reais mensais. “Nos reunimos para definir como os próprios empregados fariam essas tarefas. Foi aí que analisamos quais colaboradores já tinham cursos de formação em segurança, operações e combate a incêndio, além de estabelecer quais fariam os cursos necessários para ajudar nessas atividades”, explicou o superintendente, que a cada chegada ou partida do ATR da Azul se junta a outros dois colegas na SCI do aeroporto, todos de uniforme de combate a incêndio e de prontidão, conforme as normas da aviação exigem.

Esse compromisso entre os 11 empregados viabilizou a operação dos voos, com profissionais se dividindo em escalas para atuarem em todas as pontas do processo. Quando há uma chegada ou partida, o setor administrativo paralisa as atividades e se junta aos colegas de operações e segurança nos procedimentos ligados ao embarque e desembarque. “Essa estratégia, ainda que tenha gerado um custo mensal de R$ 7 mil com horas extras e adicionais, representa um gasto bem menor do que teríamos com contratos terceirizados de bombeiros e agentes de inspeção. Assim, aproveitamos o pessoal capacitado e conseguimos atender o voo Porto Alegre/Uruguaiana/Porto Alegre. O momento exige novas posturas, reflexões e união de todos, uma vez que nossa cidade necessita e merece estar na malha aérea do país”, afirma Tadeu.


Do Administrativo ao Operacional


Na Infraero desde 2010, Adriana Reffatti, trabalha na área administrativa do Aeroporto de Uruguaiana. Com ela ficam os processos do dia-a-dia da gestão da unidade. Mas quando chega o horário do voo, ela e mais dois colegas formam a equipe de Agentes de Proteção da Aviação Civil (Apacs) que atendem o canal de inspeção. “A parte operacional justifica a nossa existência e nós a abraçamos”, explica a empregada, que integra a escala de serviço, sendo a única mulher que realiza inspeções, inclusive com atendimento aos domingos, quando necessário.

Adriana destaca o espírito colaborativo da equipe do aeroporto, além de mencionar o apoio de outros terminais para dar conta das atividades das áreas comercial, financeira, de recursos humanos entre outras. “Após atender no canal de inspeção, volto às atividades administrativas. E para o que eu ainda não domino, busco apoio dos colegas de outras dependências. Questões como férias, recessos e licenças médicas são ajustadas sempre em conjunto com os colegas e a superintendência”.

Um dos mais experientes empregados do aeroporto, Luiz Alberto Fernandes Gomes, o “Marujo”, ingressou na empresa em 1981, e após dois anos tornou-se o primeiro bombeiro de aeródromo de Uruguaiana. Na vida, já exerceu diversas atividades. De Fuzileiro Naval - que lhe rendeu o apelido - a padeiro, funcionário de gasoduto e trabalhador do ramo de transportes, ele desenvolveu a polivalência: “Trabalhar assim deixa a gente versátil. E tudo se consegue no coletivo e na união. Assim, com um grupo motivado, compromissado e disposto a fazer a sua parte, o resultado final acaba sempre sendo melhor”, afirma o empregado, que fica de prontidão na Seção de Combate a Incêndio de Uruguaiana, além de auxiliar na superintendência e em atividades como gestão da segurança operacional, fiscalização de pátio e inspeção.


Novas perspectivas


O envolvimento da equipe de Uruguaiana para viabilizar o voo para Porto Alegre fez com que o aeroporto passasse a se planejar para receber mais rotas. A primeira ação tomada foi adaptar a sala de embarque, que incluiu uma área para a Polícia Federal, responsável pela segurança nas áreas restritas do aeroporto. 

Agora, o próximo passo é o de expandir a sala de desembarque, que contará com espaços administrativas destinados às vigilâncias Sanitária e Agropecuária e Receita Federal. Os projetos estão em análise pela Infraero, em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Uruguaiana (ACIU). “Se viabilizarmos espaço para estes órgãos, é possível contarmos com voos internacionais de pequeno porte”, explica o superintendente Jorge Tadeu.


Dados do Aeroporto Internacional de Uruguaiana/Rubem Berta

Movimentação em 2016: 29,6 mil embarques e desembarques e 820 pousos e decolagens

Capacidade do terminal de passageiros: 300 mil passageiros por ano

Dimensões da pista: 1.500 x 30m

Capacidade do pátio de aeronaves: 9 aeronaves

Estacionamento de veículos: 60 vagas




fonte: infraero



SHARE
Banner

Comentar: