Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Perícia investigará queda de helicóptero que matou noiva em SP


Jovem pretendia fazer surpresa para o noivo, que já a aguardava no altar; fotógrafa, piloto e irmão da noiva também morreram no acidente.



Perícias previstas para a manhã desta segunda-feira (5) vão investigar a causa da queda de um helicóptero que matou uma noiva que estava a caminho de seu casamento na grande São Paulo no domingo (4). Peritos do Instituto de Criminalística de polícia paulista e especialistas da Aeronáutica estarão no local da queda do helicóptero em São Lourenço da Serra em busca de indícios da causa do acidente.

A queda ocorreu a poucos quilômetros do espaço que tinha sido alugado para a festa. A noiva tinha o sonho de chegar ao casamento de helicóptero, segundo o dono do buffet e responsável pela organização da festa, Carlos Eduardo Batista. O noivo a aguardava no altar quando soube do acidente.

Também morreram o piloto, Peterson Pinheiro, o irmão da noiva, Silvano Nascimento da Silva e a fotógrafa Nayla Cristina Neves Lousada, que estava grávida de seis meses.

“O noivo não sabia que ela chegaria de helicóptero. Seria uma surpresa para ele e para todas as pessoas da festa. Todas as noivas têm um sonho e o dela era chegar de helicóptero a seu casamento sem que ninguém soubesse”, disse Carlos, um dos poucos que sabiam da surpresa para poder organizá-la.

O dono do buffet afirmou que estranhou quando o helicóptero não pousou no campo de futebol do sítio e procurou a empresa responsável pela aeronave. “O dono disse que o helicóptero já tinha subido e que já deveria ter chegado”. “Pouco depois, ele mesmo me disse que uma aeronave tinha caído, mas que não imaginava que seria a sua própria”, completou.

Quando recebeu a confirmação da queda e das mortes, Carlos comunicou primeiramente o noivo. “Chamei o pastor que estava na cerimônia e ele foi comigo comunicar para tentar acalantar o noivo. Ele ficou em estado de choque. Depois, os demais convidados [cerca de 300] souberam e ninguém sabia como agir. Foi uma tragédia”. Alguns familiares e convidados permaneceram no local da festa e outros foram embora.

O helicóptero que caiu é do modelo Robinson 44, matrícula PRTUN, segundo a Aeronáutica. De acordo com o órgão, uma equipe do Seripa IV (Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) está indo para o local para começar as investigações do acidente.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a aeronave estava com inspeção válida até 16 de dezembro, que o certificado de aeronavegabilidade estava normalizado e que poderia voar até dia 1º de fevereiro de 2017 e que a capacidade era de 3 pessoas, sem contar o piloto.

A queda ocorreu na Estrada da Barrinha. A aeronave caiu em uma região de mata fechada, próxima à Rodovia Régis Bittencourt. Por volta das 18h, quando o Globocop sobrevoava a área, havia neblina e chuva.

Familiares das vítimas estiveram na manhã desta segunda no Instituto Médico Legal (IML) em São Paulo para organizar a liberação dos corpos.




fonte: G1
SHARE
Banner

Comentar: