Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Fabricantes de jatos ignoram crise local e apostam no Brasil


A despeito da crise econômica que afeta o Brasil, as principais fabricantes de jatos executivos no mundo chegam ao país esta semana para participar da Labace (Latiu American Business Aviation Conference & Exhibition) e disputar urna parcela do mercado que ainda consideram como um dos três mais importantes do inundo.

A feira, que se realiza a partir de hoje, no Aeroporto de Congonhas, reduziu o número de participantes este ano de 190 para 154, mas as empresas tradicionais do setor, como a Embraer, Bombardier, Dassault Falcon Jet, Gulfstream, Cessna e Beechcraft participam em peso do evento, que ainda é visto como uma grande oportunidade de negócios.

Para o presidente da TAM Aviação Executiva, representante das marcas Cessna, Beechcraft e Beli Helicopter, Fernando Pinho, a Labace funciona como um catalizador de processos de vendas de jatos executivos, sendo fundamental para marcar a virada do segundo semestre, período que concentra mais de dois terços das vendas e entregas de aeronaves.

Para enfrentar a concorrência acirrada entre as marcas mundiais, as empresas investem em tecnologia, segurança e na expansão das capacidades de suporte e atendimento aos clientes.

O vice-presidente de vendas da americana Textron (dona da Cessna, Hawker e Beechcraft), Robert Gibbs, acredita que o peso da marca Cessna Citation, com mais de 6500 jatos em operação no inundo, aliado a menores custos de operação, estão entre as principais vantagens do novo jato Latitude, sua maior aposta para a Labace.

A aeronave, que custa US$ 16,2 milhões, é concorrente direto do novo Legacy 450 da Embraer (US$ 16,5 milhões), que tem alcance pouco menor que o Latitude, mas exibe recursos tecnológicos hoje disponíveis apenas em aeronaves de categoria superior.

Outro rival da fabricante brasileira que escolheu a Labace para sua primeira aparição é o HondaJet. O presidente e CEO da Honda Aircraft Co., Michimasa Fujino, afirmou que a empresa tem condições de competir com vantagem no mercado brasileiro. “O HondaJet tem um preço competitivo (US$ 4,5 milhões), além de uma cabine mais espaçosa e um custo operacional 20% mais baixo que as aeronaves da sua categoria”, afirmou.

As primeiras entregas, segundo Fujino, começam em 2017. A Líder Aviação foi escolhida para ser a representante exclusiva de vendas, serviço e suporte ao HondaJet.

Para a Embraer, o jato da Honda chegará ao mercado em desvantagem. “O jato da Honda foi anunciado em 2006 e só conseguiu sei’ certificado este ano, enquanto o Phenom 100 (seu principal rival) foi anunciado em 2005 e já tem 300 unidades em operação no mundo”, afirma o presidente da Embraer Aviação Executiva, Marco Túlio Pellegrini.

Ao lado do México, o Brasil é também o mercado mais importante da Bombardier na América Latina. Segundo o vice-presidente regional de vendas da Bombardier para a América Latina, Stéphane Leroy, a empresa possui 145 jatos em operação no Brasil, desde a linha leve e média dos Leaijet, aos modelos super médio e grande Chalienger, além dos aviões super grandes e de longo alcance, da família Global.

A crise econômica, na opinião do executivo, representa um desafio para os fabricantes no curto prazo, mas a perspectiva de mercado no longo prazo ainda permanece positiva. “Geralmente os períodos de crise são bons para as empresas criarem uma vantagem competitiva sobre a concorrência e o jato executivo é a ferramenta que ajuda a aumentar a eficiência dessas empresas.”

O vice-presidente mundial de vendas e marketing da americana Gulfstream, Scott Neal, disse que as atividades de prospecção de novos clientes na aviação executiva no Brasil continuam fortes, embora estejam levando mais tempo no planejamento e na conclusão dos negócios.

“Nossos investimentos são pensados para o longo prazo. Quando houve a crise de 2008, a empresa manteve a decisão de investir no desenvolvimento dos jatos G280 e G650”, afirmou. A solidez financeira da empresa, segundo ele, permitiu que a Gulfstream continuasse a investir durante esses anos difíceis e isso não será diferente no Brasil.

Subsidiária integral da General Dynamics, a divisão aeroespacial formada pelas empresas Gulfstream e Jet Aviation registrou faturamento de US$ US$ 4,366 bilhões no primeiro semestre deste ano, crescimento de 6% em relação a igual período do ano passado.

O crescimento da frota da Gulfstream no Brasil, de acordo com Neal, superou os 30% nos últimos cinco anos. Com mais de 40 aeronaves em operação no país, o executivo afirma que o mercado cresceu 10% nos últimos 12 anos. “A demanda existe, apesar de qualquer dificuldade econômica.”

A Gulfstream fabrica aviões de longo alcance, que permitem, por exemplo, voar de São Paulo a Moscou sem escala e uma rede de serviços de suporte ao cliente considerada a melhor do mundo.



fonte: Valor Econômico / Por Virgínia Silveira | De São Paulo
SHARE
Banner

Comentar: