Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Infraero deve perder metade dos funcionários após leilão de aeroportos


A estatal Infraero pode chegar ao final da nova rodada de leilões de aeroportos com menos da metade dos funcionários que tem atualmente, informou o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Eliseu Padilha.

Hoje, a Infraero conta com cerca de 12,4 mil servidores (não inclui comissionados). De acordo com Padilha, após o leilão dos aeroportos de Florianópolis, Fortaleza, Salvador e Porto Alegre, previsto para 2016, a estatal precisará desligar mais trabalhadores, chegando ao final desse processo com algo entre 5 mil e 6 mil funcionários.

“Quando a gente tiver o leilão desses novos aeroportos, talvez a gente consiga operar com 5 mil e pouco, 6 mil [servidores]”, disse o ministro durante audiência pública na Câmara, em Brasília.

Na terça, o governo anunciou nova fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), em que foram incluídos os leilões dos aeroportos de Florianópolis, Porto Alegre, Fortaleza e Salvador. O governo quer que eles sejam administrados por empresas privadas, que terão que ampliar e modernizar esses terminais. A expectativa é que os quatro recebam cercar R$ 8,5 bilhões em investimentos.

O pacote anunciado na terça também prevê o leilão de áreas para movimentação de carga em portos públicos, para construção de novas ferrovias e duplicação de 15 trechos de rodovias federais. Para tirar esses projetos do papel, serão necessários R$ 198,4 bilhões nos próximos anos.

Enxugamento

A Infraero vive um processo de enxugamento desde 2012, após as primeiras concessões no setor feitas pela presidente Dilma Rousseff, que entregou à iniciativa privada os aeroportos de Guarulhos, Campinas (SP) e Brasília, num primeiro momento, e Confins (MG) e Santos Dumont (RJ), em um segundo.

Em dezembro de 2012, a estatal tinha 14.247 servidores. Após os primeiros leilões, foi aberto um Programa de Demissão Voluntária (PDV). Segundo a Infraero, 2.535 aderiram e, até o momento, 1.221 foram desligados.

A meta atual do governo é reduzir o quadro da estatal em 2.615 trabalhadores. Para tanto, é preciso liberação de recursos, já que é oferecido um prêmio para quem adere ao PDV.

Uma parte dos funcionários que atuava nos aeroportos leiloados também se transferiu para as concessionárias. De com o ministro Eliseu Padilha, a expectativa é que isso também aconteça após os novos leilões.





fonte: G1
SHARE
Banner

Comentar: