Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Preço médio das passagens aéreas para Aracaju está hoje nas alturas


Quem busca passagens aéreas para chegar ou sair de Aracaju se assusta com preços, principalmente se os valores forem comparados quando o destino ou partida é a cidade de Salvador, na Bahia. Com uma rápida pesquisa nos sites que comercializam as passagens, é possível notar a disparidade. Em alguns casos de viagens internacionais, por exemplo, a diferença é de quase 60%. Já em destinos dentro do Nordeste, a diferença também assusta: 83%.

Urna passagem para Orlando/Disney, partindo de Aracaju, no mês das férias, custaria R$ 3196,93. Já se a saída for de Salvador, na mesma época, o valor seria de R$ 2.016,90. Ou seja, os aracajuanos teriam que pagar R$ 1.180,03 a mais. O mesmo ocorre para destinos internacionais e bem próximos como Fortaleza. Saindo de Salvador o menor valor a ser pago seria R$ 495,80. Partindo de Aracaju ficaria R$ 906,00. Lembrando que as pesquisas foram feitas com datas iguais e divulgados os menores valores encontrados e não incluem as taxas de embarque.

Por que o aracajuanos ou turistas que escolhem a capital sergipana como destino pagam tão mais caro? De acordo com a assessoria de comunicação da Infraero, essa diferença acontece devido à questão de mercado, que envolve a oferta X procura, ou seja, como a procura por voos em Salvador é maior, os preços tendem a diminuir.

A empresa Gol Linhas Aéreas informou que os valores são competitivos de acordo com o mercado. “Na GOL, o modelo de precificação adotado é dinâmico, que pressupõe a maior oferta de assentos a preços baixos e competitivos, a todo momento”. A assessoria aconselhou que os clientes devem adquirir as passagens antecipadamente para conseguirem melhores preços. “Para adquirir tarifas com melhor custo, a companhia orienta comprar os bilhetes com mais de 28 dias de antecedência à data da viagem. De janeiro a dezembro do ano passado, 84% das passagens GOL adquiridas pelos clientes em voos domésticos custaram até R$ 499,00, levando-se em conta a proximidade da data da viagem”.

Economia

Muitas pessoas preferem ir até Salvador de carro ou ônibus e de lá pegar o voo desejado. Mesmo com os custos de uma viagem de carro e as diárias no estacionamento do aeroporto, tem gente achando mais vantajoso. Lucas Oliva é um dos que preferem ir até a capital baiana para economizar nas passagens. “Sair e chegar a Aracaju via transporte aéreo é complicado, os preços das passagens são altíssimos, muitas vezes vou de carro, deixo em algum estacionamento perto do aeroporto, pago cinco ou seis diárias e ainda sai mais barato do que um voo direto de Aracaju. Esse é um problema sério que vem piorando”, pontuou.

A jornalista Jéssica Lieko acredita que o problema do valor mais caro cobrado para viagens partindo de Aracaju melhorou nos últimos anos. Ela contou que também já preferiu ir até Salvador e pegar um voo de lá, mas que hoje em dia esse deslocamento já não é mais tão vantajoso. “Quando em determinadas situações, tipo viagens internacionais, o voo ficava consideravelmente mais barato saindo de SSA. Hoje em dia, entretanto, faz pouca diferença. Ia de carro e de lá pegava o avião para ir a outro lugar. Fiz isso pra ir à Foz do Iguaçu uma vez. Hoje, com a mudança da relação entre as companhias aéreas e o consumidor, é muito raro isso valer a pena, principalmente com o preço da gasolina”, lembrou.


Além dos valores altos, passageiras perdem um dia inteiro viajando


 
Mesmo Aracaju tendo diversos atrativos, com altos preços a vinda de turistas é dificultada e o setor hoteleiro vem sentindo as consequências. A presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Sergipe — ABIH/SE, Daniele Mesquita, informou que houve queda no turismo de lazer devido à malha aérea. “O valor da passagem aérea para vir ou sair de Aracaju é inviável. Ainda tivemos cancelamento de voos. Esperamos que as reuniões com o secretário de Turismo tenham bons resultados, para que Aracaju seja de fato um destino concorrente”.

A presidente ainda pontuou a falta de voos diretos para a capital sergipana. “Além dos valores altos, passageiros perdem um dia inteiro viajando e o turista não quer isso. Se ele tiver que passar por Maceió, Recife ou Salvador, ele já vai ficar nessas cidades, isso não nos favorece”.

Daniele afirmou que em termos de opções para o turista, Aracaju e o Estado de Sergipe estão bem servidos. “Temos excelentes produtos. Quem conhece Aracaju se apaixona. O cliente sai daqui tão encantado que diz querer morar na nossa capital. Nós sergipanos sabemos escolher, Aracaju é uma cidade tranquila, temos muitas belezas naturais, seja em Xingó ou na Orla Pôr do Sol, ou os nossos serviços na Passarela do Caranguejo”.

● Ocupação

O melhor número em ocupação registrado pela Associação este ano, foi o de 70%. Daniele contou que o segmento precisou dar descontos para conseguir mais hóspedes. “Nossos feriados foram muito abaixo do que a gente esperava, comparado aos anos anteriores. No último feriado ainda conseguimos uma boa ocupação em relação às outras datas, porque tivemos que quebrar dias de pacote, baixar tarifa.

Sobre as ações realizadas pelo governo, a presidente informou que têm sido ineficazes. “Desde janeiro que a nossa ocupação está sendo decrescente, não estamos atingindo a nossa expectativa, baseada até em números comparados aos anos anteriores. Isso tem alguns fatores que levaram a essa situação: tem uma crise já estabelecida no país e também a falta de divulgação do nosso destino, O nosso destino não é conhecido, as pessoas ainda não conhecem Aracaju, ficam em dúvida onde é Sergipe, então falta uma política de divulgação da parte do governo, então tem basicamente um ano e meio que o governo não faz divulgação do nosso destino. Isso está contribuindo para o cenário que estamos vivendo”.

O único trabalho de divulgação feito este ano, de acordo com Daniele, foi uma caravana que atingiu as cidades de Salvador, João Pessoa, Recife e Maceió. “Já que estamos praticamente encerrando o primeiro semestre, foi um convênio entre as duas secretarias de turismo, a Fecomércio [Federação do Comércio do Estado de Sergipe], Abave [Associação Brasileira de Avaliação Educacional], Abrasei [Associação de bares e Restaurantes de Sergipe], Turise operadora e a ABIH, que divulgamos no raio de 700km.

Fizemos a caravana ‘Sergipe sua Próxima Viagem’ de 13 a 17 de abril. Capacitamos em média 500 agentes de viagem e por mais que os baianos ainda sejam nosso público maior, eles ficaram surpresos com o que Sergipe tem a oferecer de passeios, e já estamos começando a ter resultados dessa ação. Esse é um trabalho que precisa continuar”.

A assessoria da Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte (Setesp) explicou que a falta de turistas dá-se pelo fato do maior público ser o de turismo empresarial e, com tantos feriados, os números de eventos têm diminuído. “É importante esclarecer como é como é composta a ocupação dos hotéis durante todo o ano. Existem três segmentos que são o corporativo/negócios, lazer e eventos, este ano especialmente tivemos um fato atípico, que foi a quantidade elevada de feriados que, aliado à crise econômica que vive todo o país, afetou principalmente o segmento corporativo/negócios (que de acordo com ABIH corresponde a mais de 50% da ocupação da hotelaria no ano), com relação ao segmento de eventos (de acordo com ABIH) representa apenas 8% da ocupação hoteleira anual. O turismo de lazer, que representa 8% do total de hospedagens, foi o único que conseguiu se sustentar, não como em anos anteriores”.

A Secretaria informou ainda que estará presente em eventos nacionais como forma de divulgação dos atrativos de Sergipe. “Este ano, por exemplo, a partir de definição conjunta com as entidades do setor, o Estado vai estar presente em nove feiras e exposições de turismo. São eventos de interesse direto de hotéis e receptivos, pois neles vão estar os compradores profissionais. Vai participar ainda em São Paulo da Mostra Viajar, voltado ao público consumidor final, de modo a oferecer e tornar bastante atrativos os destinos nacionais”.

Sobre a recuperação do turismo de eventos no período de baixa estação, a assessoria disse que “o Governo do Estado já está licitando a tão sonhada reforma, ampliação e climatização do Centro de Convenções, que tornará Sergipe competitivo no segmento. O Centro de Convenções de Sergipe será, a partir de 2018, um dos mais modernos do nordeste e também, do Brasil”.


MUDANÇAS


A Secretaria divulgou na Imprensa, uma matéria que fala sobre as medidas que vêm sendo tomadas a nível nacional para que se recupere voos perdidos, além do desejo de aumentar a oferta e diminuir valor médio das passagens aéreas. Houveram reuniões com as empresas TAM, GOL e Avianca com o secretário do Turismo e do Esporte, Adilson de Carvalho Júnior e diretores das três aéreas.

Na TAM, a comitiva sergipana foi recebida por Basílio Dias e Tahane Novaes, respectivamente. diretor e gerente de assuntos regulatórios da TAM. O diretor da empresa, segunda assessoria da Setesp, mostrou-se receptivo ao pleito de Sergipe e disse que no prazo de 30 dias haverá soluções para os problemas apresentados, com destaque à adequação tarifária, de modo a contribuir para a competitividade do destino.

Na sede da Gol, em Congonhas, a reunião foi com Fábio Mader, diretor comercial, e Cláudio Neves, diretor de planejamento da aérea, que garantiram ao secretário Adilson Júnior a manutenção da frequência entre Aracaju/Salvador/Aracaju, que estava sob ameaça de cancelamento.

Durante reunião na Avianca (OceanAir), foi anunciado pelo vice-presidente da companhia aérea, Tarcisio Gargioni, que Aracaju terá novo voo direto para São Paulo. a partir de setembro deste ano. As aeronaves utilizadas serão Alrbus A 318 e A320. Além disso, a empresa anunciou ainda que pretende definir em até 30 dias a criação de dois novos voos diretos. de Aracaju/Rio de Janeiro e Aracaju/Salvador, com equipamentos A320.

”Nas reuniões realizadas, tanto na TAM quanto na Gol, outro assunto em destaque foi a questão de redução da alíquota incidente sobre o OVA (querosene de aviação), que ja vem sendo aplicada em outros estados da região, como Pernambuco. Rio Grande do Norte, Paraíba e Maranhão, com variações entre 12% e 9%. No caso de Sergipe, os representantes das aéreas consideraram a redução como fundamental, de modo a trazer competitividade ao estado e consequente aumento de voos, o que depende das contrapartidas a serem oferecidas”, salientou assessoria da Setesp.

Também atendendo solicitação do secretário Adilson Júnior e da bancada de Sergipe no Congresso Nacional, Tarcísio Gargioni garantiu que a partir de junho próximo as aeronaves Fokker 100 e Alrbus 318, que fazem atualmente a rota Aracaju/Brasília/Aracaju. serão substituídas por Airbus A320. com capacidade para até 180 passageiros, sem aumento no valor das tarifas.




fonte: Correio de Sergipe
SHARE
Banner

Comentar: