Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Ex-executiva da Korean Air pega um ano de prisão por 'fúria das nozes'

A Justiça da Coreia do Sul condenou (12/02) a ex-vice-presidente da Korean Air Lines a um ano de prisão por um incidente a bordo de um avião em Nova York, relacionado ao modo como tripulantes lhe serviram nozes na primeira classe.

Cho Hyun-Ah, que estava sob custódia desde 30 de dezembro
, foi condenada por violar a lei de aviação por interferir no trajeto do voo.

Em 5 de dezembro, Cho exigiu que a chefe da tripulação fosse expulsa da aeronave após lhe servirem macadâmias em um saquinho e não em um prato, forçando o avião a retornar ao portão de embarque do aeroporto John F. Kennedy após iniciar sua manobra para decolar.

"Este é um caso em que a dignidade humana foi pisoteada", disse o juiz Oh Sung-woo. O juiz disse ainda que os tripulantes foram abusados verbal e fisicamente e que estão encontrando dificuldades para voltar a trabalhar.

";Se ela não tivesse tratado funcionários como escravos e tivesse controlado as suas emoções, esse caso não teria acontecido", completou Oh.

A promotoria havia solicitado que a ex-executiva fosse condenada a três anos de prisão.

Cho chorou enquanto o juiz leu uma carta em que ela dizia reconhecer seus erros e estar arrependida. A ex-executiva disse ainda estar se adaptando a sua vida na prisão e ter sido bem acolhida pelos outros detentos.

Ainda não se sabe se a defesa de Cho recorrerá da decisão da corte. Outro executivo da companhia aérea foi condenado a oito meses de prisão por pressionar funcionários a mentirem sobre o incidente.

O caso conhecido como "fúria das nozes" provocou indignação entre na Coreia do Sul, um país cuja economia é controlada por conglomerados familiares chamados de chaebols. É incomum que grandes executivos do país sejam punidos por condutas irregulares.

Cho Hyun-Ah, 40, é uma das mulheres mais ricas da Coreia do Sul e é a filha mais velha do presidente da Korean Air Lines, Cho Yang-Ho. Ela renunciou ao cargo de vice-presidente da companhia após o incidente.



fonte: Folha de São Paulo
SHARE
Banner

Comentar: