Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Conheça o trabalho dos bombeiros de aeródromos


Para garantir a segurança dos passageiros no dia a dia de um aeroporto e em caso de emergências, a Infraero mantém em seus aeroportos equipes de bombeiros capacitados especificamente para os trabalhos de salvamento e prevenção e combate a incêndio em aeródromos, que operam nas Seções Contra Incêndio (SCI) dos terminais. A rotina desses profissionais é de constante treinamento, buscando garantir a máxima rapidez e eficácia caso haja algum imprevisto.

No Aeroporto Internacional de Fortaleza/Pinto Martins (CE), a SCI é composta por 46 bombeiros de aeródromo. Esses profissionais são bombeiros militares e atuam no Aeroporto Pinto Martins há 22 anos por meio de um convênio com o Governo do Estado. Vale pontuar que tanto bombeiros civis quanto militares podem atuar em um aeródromo, mas sua participação depende de capacitação específica.

Para essa qualificação, a Infraero ministra regularmente três cursos especiais em todos os terminais da rede. O primeiro é o Curso de Operação de Carro Contra Incêndio (CCI), que capacita bombeiros para o manuseio dos veículos utilizados nas operações contra incêndio em aeroportos. O Curso de CCI é um pré-requisito para a participação no Curso de Formação Técnica de Bombeiros de Aeródromo (FTBA), que ensina aos profissionais as sutilezas e procedimentos das operações cumpridas por bombeiros de aeródromo, e é pré-requisito para que um bombeiro possa trabalhar em uma Seção Contra Incêndio em um aeroporto. Finalmente, o Curso de Aperfeiçoamento Técnico para Bombeiro de Aeródromo (Ateba) aperfeiçoa e atualiza os conhecimentos dos bombeiros que já atuam em aeródromos. Além desses cursos, os profissionais passam também por diversos treinamentos em fraseologia.

Como parte cotidiana de seus trabalhos, os bombeiros de aeródromo recebem instruções semanais de utilização de equipamentos motomecânicos, ferramentas de salvamento e combate a incêndio e até mesmo procedimentos para atar nós e amarração de cordas. Além disso, os profissionais se exercitam diariamente com esquemas de treino específicos para manter o bom condicionamento físico.

Diferentemente dos bombeiros urbanos, bombeiros de aeródromos atuam apenas nos sítios aeroportuários, podendo ser autorizados a agir em resgates de acidentes aéreos num raio de 8 km a partir dos aeroportos em que estão baseados. As viaturas utilizadas também são diferentes, equipadas ao mesmo tempo com Líquido Gerador de Espuma (LGE), água e pó químico, assim como aparatos específicos para disparo de líquidos no combate ao fogo.

“Normas internacionais determinam que os aeroportos tenham um quadro permanente de bombeiros de aeródromo. Em aviação, tudo ganha uma proporção diferente. Estamos falando de várias pessoas e de situações com potencial de risco muito grande. Daí o alto investimento da Infraero em tecnologia, veículos, equipamentos, trajes, máscaras autônomas e treinamentos”, pontuou o coordenador de Salvamento e Combate à Incêndio do Aeroporto Internacional de Fortaleza, Flávio José do Nascimento.

O trabalho do bombeiro, no entanto, visa também ao estreitamento dos laços com a comunidade. Por isso, além das rotinas de treinamento, eles fazem palestras de primeiros socorros e de prevenção de acidentes, realizam simulados e treinam as brigadas de incêndio de várias empresas que atuam no aeródromo.

No Aeroporto de Fortaleza em particular, essa atuação ultrapassa os muros do aeroporto. Os profissionais lotados na SCI também interagem com os moradores do entorno do terminal com o projeto social Ginástica para a Melhor Idade, em parceria com a Infraero. O projeto atende quase 100 pessoas, funcionando desde 2004.


Assessoria de Imprensa - Infraero
SHARE
Banner

Comentar: