Meu título conteúdo da página

.

.

Arquivo

Navigation

Aeroportos têm 53 colisões com aves este ano


Colisões de pássaros com aviões na Região Metropolitana do Rio vêm preocupando o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) da Aeronáutica. Somente este ano, foram registrados 53 casos em áreas próximas aos aeroportos Santos Dumont e GaleãoTom Jobim. Segundo o Cenipa, a maioria dessas colisões foi provocada por urubus que são atraídos por depósitos clandestinos de lixo localizados num raio de 20 quilômetros das pistas de pouso e decolagem.

Choques de pássaros com aviões são considerados acidentes potencialmente graves, que podem levar à queda de uma aeronave. No ano passado, um Boeing que decolou do Galeão-Tom Jobim rumo a Brasília bateu em um carcará. O bico e parte da fuselagem da aeronave ficaram danificados. Cerca de cem passageiros estavam a bordo.

— É um assunto grave, um problema cuja solução passa por um melhor saneamento, pelo combate permanente aos lixões clandestinos e pela limpeza de áreas públicas — afirmou o tenente-coronel Henrique Rubens Balta de Oliveira, assessor do Cenipa para gerenciamento de riscos.

Segundo um levantamento do órgão, os aeroportos do Rio registraram no ano passado 119 colisões entre aviões e aves. Foram 86 no Galeão-Tom Jobim e 33 no Santos Dumont. Houve um aumento de 32% em relação a 2012, quando ocorreram 90 casos. Entre as espécies mais atingidas estão urubus, queroqueros, pombos, gaviões, garças, corujas e carcarás.

A geógrafa Erika Soares, coordenadora do programa Lixão Zero da Secretaria estadual do Ambiente, afirmou que uma campanha iniciada em 2010 levou ao fechamento de 95% dos depósitos clandestinos identificados pelo órgão.

— Nosso problema não é mais a existência de lixões, mas, sim, de pequenos locais de acúmulo de resíduos. Alguns, segundo relatos de catadores, estão em Duque de Caxias e são controlados por traficantes — disse Erika.

Aprovada em 2012, uma lei federal prevê a aplicação de uma multa de até R$ 1,25 milhão para quem acumula, nos arredores de aeroportos, material que possa atrair animais.

fonte: O Globo
SHARE
Banner

Comentar: