AEROPORTOS


AVIAÇÃO EXECUTIVA

AVIAÇÃO COMERCIAL

AVIAÇÃO MILITAR

PILOTO AGRÍCOLA


A Aviação Agrícola é um serviço especializado, regulamentado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento e pelo Ministério da Aeronáutica.

A aplicação de defensivos, uréia granulada, semeadura de pastagens e coberturas, reflorestamento, povoamento de lagos e rios com peixes, o auxílio à saúde pública no combate a doenças endêmicas, entre diversas outras atividades, fazem do avião agrícola uma importante ferramenta na prestação de serviços.


No Brasil, a Aviação Agrícola iniciou-se em 1947, devido ao ataque de uma praga de gafanhotos na região de Pelotas, Rio Grande do Sul, onde foi realizado o primeiro vôo agrícola no País no dia 19 de agosto daquele ano, com a Aeronave MUNIZ, modelo M-9, bi-plano de fabricação nacional, prefixo GAP, monomotor de 190 HP, autonomia de vôo de 4 horas, equipada com depósito metálico, constituído em dois compartimentos em forma de moéga e dosador próprio, controlado pelo piloto com capacidade de carga de aproximadamente 100 kg, tendo ainda o apoio técnico do Engenheiro Agrônomo Leôncio Fontelles, na aplicação de BHC.


Este dia foi instituído como o Dia Nacional da Aviação Agrícola, e o piloto civil Clóvis Candiota, que realizou o vôo, é considerado o Patrono da Aviação Agrícola


Atividades Exercidas pela Aviação Agrícola


- Emprego de defensivos agrícolas, sólidos e líquidos
- Emprego de fertilizantes
- Semeadura
- Povoamento de águas
- Combate a incêndios
- Combate a vetores
- Nucleação de nuvens e outros

Pequeno Histórico

A aviação agrícola foi inventada pelo agente florestal alemão Alfred Zimmermann em 29/03/1911 mas só teve aplicação comercial nos EUA, em 1921. Nessa ocasião, o inseticida era jogado do avião por um 2o. passageiro, de um saco.


As técnicas modernas de aplicação, como a do Baixo-Volume (10 a 30 l/ha) só iniciaram a partir de 1943.

O 1o. avião projetado especificamente para uso agrícola foi o AG-1, desenvolvido em 1950 nos EUA.

No Brasil, o 1o. vôo agrícola deu-se em 1947, no Rio Grande do Sul (estado que sempre se destacou neste tipo de aplicação), no combate a uma praga de gafanhotos.

A aviação agrícola foi oficial e formalmente reconhecida no Brasil em 07/10/1969, através do DL No.917. Esse Decreto Lei foi regulamentado pelo Decreto No. 86.765 de 22/12/1981.

Aviação Agrícola no Brasil


Décadas de 40 e 50


Em 1947 foi realizado o primeiro vôo agrícola no Brasil, mais precisamente em Pelotas, no Rio Grande do Sul. O Engenheiro Agrônomo Leôncio Fontelle e o Piloto Clóvis Candiota aplicaram produtos químicos objetivando o controle de gafanhotos.


No ano de 1950, iniciaram as aplicações aéreas de BHC na cultura do café. Nessa mesma época foram criadas as "Patrulhas de Tratamento Aéreo" do Ministério da Agricultura (PATAE).


No ano de 1956 a empresa Sociedade Agrícola Mambú Ltda. donos de extensas áreas de bananas na região de Itanhaém-SP, começou realizar aplicações aéreas objetivando o controle do mal de Sigatoka com uma aeronave biplana Stearman.


A empresa Sociedade Agrícola Mambú, foi buscar conhecimento sobre a tecnologia de aplicação no Equador, onde essa tecnologia de controle da Sigatoka estava sendo bastante desenvolvida. Na aeronave Stearman foi adaptado um tambor de 200 litros no assento traseiro, uma bomba centrífuga eólica e dois pulverizadores fabricados pela própria empresa. Conseguiram na época ótimos resultados no controle fitossanitário do mal de Sigatoka com essa tecnologia desenvolvida.


Décadas de 60, 70, 80 e 90


No ano de 1965 foi criada a empresa Seara Defesa Agrícola Vegetal Ltda. que desenvolveu a tecnologia de aplicação aérea UBV (Ultra Baixo Volume) na cultura do algodão.


No ano de 1968 foi criado o CAVAG. No ano de 1969 foi fundada a EMBRAER.


Na década de 70 houve um grande desenvolvimento nos trabalhos de aplicação aérea, mas na década de 80 os trabalhos de aplicação aérea entraram em decadência pela falta de tecnologia.


No início da década de 90, começou um ligeiro crescimento nos trabalhos de aplicação aérea de agroquímicos acompanhando o grande desenvolvimento das culturas da soja e do algodão no cerrado dos Estados do Mato Grosso e Goiás.


No final da década de 90 muitas novas tecnologias começaram a ser utilizadas pela aviação agrícola no Brasil. Novas pontas de pulverização foram desenvolvidas, novas barras de pulverização aerodinâmicas, aperfeiçoamento dos equipamentos nacionais e o GPS.


De todas essas novas tecnologias foi o GPS a que mais se destacou, pois funcionou como um certificado de garantia de boa aplicação e, com certeza, foi responsável pelo fechamento de muitos contratos de aplicação aérea com muitos produtores.


Atualmente, no Brasil existem cerca de 1.500 aviões agrícolas em operação. O mercado potencial para essas aeronaves é de 10.000 unidades. Esse potencial de mercado leva em consideração somente as áreas agrícolas atualmente exploradas e não levam em consideração ainda as áreas com possibilidades de exploração. Por exemplo, o Estado do Mato Grosso ainda tem aproximadamente 60% do potencial de áreas agrícolas para serem exploradas pelas extensivas culturas da soja e do algodão.


Poderemos observar nos próximos anos um grande desenvolvimento de novas tecnologias na área de aplicação com aeronaves agrícolas no Brasil. Empresas fabricantes de aviões agrícolas e equipamentos do Brasil e de outros países estarão, nos próximos anos, buscando esse grande mercado potencial da aviação agrícola no Brasil que existe ainda a ser conquistado.


Custo total para Piloto Agrícola (valor aproximado, pois varia de um local para outro)  

Curso de Piloto Privado e Piloto ComercialR$   56.832,00
Curso de Piloto Agícola (incluso horas de voo) R$   30.000,00
Soma total PP + PC + Curso Piloto Agrícola R$   86.832,00


Atividades da Aviação Agrícola

Setor Bioaeronáutica Altura de voo
Agricultura, Silvicultura e Pecuária Inspeções; Mapeamentos; Sensoriamento remoto; Previsão de safra; Adubação; Semeadura; Controle de pragas, doenças e ervas daninhas; Maturação; Desfolhamento; Outras. 3 a 5 m acima da vegetação
Piscicultura Peixamento e Cultivo químico. Sem informações
Saúde Pública Controle de vetores (malária, dengue e oncocercose). 50 a 100 m do solo
Modificação do tempo Nucleação de nuvens (chuva artificial); Controle de geadas; e Supressão de neve. Até 2.000 m (nuvens baixas)
Ecologia Controle de poluição marinha (óleo). Sem informações
Diversos Inspeção de linhas de alta tensão; Controle de incêndios florestais; Outras. 15 a 30 m acima da copa
 
FONTE: Piloto BRasil 

 

OBRIGADO PELA VISITA!

7 comentários for "PILOTO AGRÍCOLA"

  1. gostaria de ver as qualificacoes que me habilitariam ou linitariam na hora de fazer a inscricao

  2. GOSTARIA DE SABER POR QUE NAUN TEM O CURSO PARA PILOTO AGRICOLA EM PALMEIRA DAS MISSÕES VISTO QUE POSSUE UM AEROPORTO BEM ESTRUTURADO?

  3. sou piloto de caça, voei na guerra das malvinas e fui abatido em 12 de abril de 1982, de lá p/ cá nunca mais voei.
    gostaria de saber se ainda posso voar agricola?

  4. OI sou MARILLIA MORAIS apaixonada por aviação e principalmente pela agrícola quero saber sobre salario? carga horaria ? se existe alguma empresa que oferece estagio.

  5. para quem só quer ser um piloto agricola pelo salario vai ai uma dica ESQUEÇA vc vai gasta muito no minimo 80.000 reais pra se torna um piloto e td isso sem retorno vc só tera o retorno após a 1 safra e naun é muitos se voar bem ira ganhar 50000 mais como disse se vc quer entra só pela grana ESQUEÇA , há e naun a estagio pra isso ou vc voa ou naun abraços

  6. Ta por fora hein fio...

Deixe um comentário

TOP 5 DA SEMANA